quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Ração animal

 ração cãoração gato
 (imagens internet)


Desde que me conheço por gente tenho animais de estimação. Não sou tão pré-histórica assim, mas eu lembro que não se tinha tanta preocupação, como hoje em dia, com a alimentação dos bichinhos, principalmente cães e gatos...

Quando eu era pequena, já existiam rações, mas eram caras. E me lembro perfeitamente de minha mãe cozinhando para os peludos! Aquele panelão com arroz para cães, espinafre (em meu quintal tinha espinafre plantado e crescia como mato rsrs lembro das vizinhas sempre pedirem para minha mãe, e com tamanha abundância, ia pra panela dos cães!), talos de legumes, como cenoura, beterraba,  e ora alguma carne ou frango.

Aí cresci. A tal ração em grãos, industrializada se popularizou e o preço se tornou mais acessível.
E cá entre nós: Com a correria do dia-a-dia, é muuuito mais prático né? Só pegar da embalagem e colocar no potinho deles e pronto! Nada de esquentar a barriga no fogão...

Já faz um tempo que observo o quanto hoje em dia, cresceu E MUITO o número de pessoas com seus pets, e o comércio dedicado a eles (pet shop - praticamente vejo um a cada esquina!).
Os tipos de rações tb evoluiu. Antes ao comprar ração, era "qualquer uma" de preferência a "mais barata". E os fabricantes decidiram "pensar mais na saúde" de nossos bichinhos, criando rações especiais, com vitaminas, nutrientes e tantos outros benefícios para eles. 

Ótimo isso, né? Agora (digo por experiência própria) não é somente comprar qualquer ração. Claro que o fator preço ainda pesa (com o aumento da qualidade, encarece...) então agora o negócio é sério rsrs, procuro marcas (isso inclui pesquisas em internet, conversar com o veterinário,ele melhor que ninguém para orientar...) confiáveis, com níveis seguros de que o que diz no rótulo realmente está dentro da embalagem; uma ração que se adeque a cada animal (atualmente tenho 2 cães e 3 gatos de raças e idades diferentes) e tem TANTA opção que as vezes confesso dá um nó na cabeça kkkkk.

Ok, ok, saudáveis, vitaminados, suculentos... MAAAAASSSSS industrializado! Ou seja, contém conservantes, estabilizantes, corantes e inúmeros "antes" para garantir a tal praticidade de tirar da embalagem e servir... Isso seria REALMENTE saudável? Acho e tenho quase certeza que não... Lembro de minha mãe cozinhando... o cheiro era bom! Todo dia cozinhava, era sempre fresquinha a comida, com muitos ingredientes naturais, alguns tirados do próprio quintal de casa, sem conservantes, corantes... e as carnes minha mãe SABIA o que colocava! Pra mim isso era realmente bom para eles! E além dos "antes" contidos nas rações, tem as "carnes"... vai saber o que são... restos triturados! (sabe-se lá restos de que!!!).

 Aaaah mas tal marca garante(e cobra por isso) que são produtos selecionados... tá bom... vc está lá diariamente para comprovar isso? Pra saber se o milho é realmente orgânico? Se colocaram somente o peito do frango? Se "acidentalmente" não tem nenhum bico, pata, cabeça? Se nem mesmo na alimentação humana tem-se um controle rígido (formol no leite, ratos no refrigerante, ácidos...) Nossa, é de pirar o cabeção pensar nisso.... 

E qual seria então o jeito certo? Fazendo nós mesmos (como minha mãe fazia) com ingredientes frescos, sem agrotóxicos! (óbvio que tem sempre gente dando pitaco: "Comida caseira não é indicada, pois favorece o acúmulo de tártaro nos dentes (são aquelas manchas marrons escuras) e se for feita sem orientação, com certeza estará desbalanceada e pode conter ingredientes tóxicos para o cachorro (alho e cebola, por exemplo)"

 Lindo isso né? Mas nada prático...
 Pra começar, nem quintal eu tenho em casa... Tenho em vasos manjericão, alecrim, salsinha, pimenta, maracujá...e só! Não tenho espaço... meu sonho é ter um pomar em casa, muitas árvores frutíferas...ai que lindo seria!!! Como disse, um SONHO! Mas quem sabe, né???? Enquanto ele não se realiza, vamos sobrevivendo a essa selva de pedras rs....

Ah, já ia esquecendooo: como hj em dia é "modinha" ser natureba, vegetariano, vegano (digo que é moda pq tem uma enorme diferença entre dizer que é e realmente ser), claro que os pets não poderiam ficar de fora! Sim, existe rações que se dizem vegetarianas e mesmo VEGANAS! Bacana isso, né? Eu acho, só não acho "bacana" o preço!!!!! Chessusss!!!!!

Já comprei diversas marcas, até me acertar (me acertar não né, acertar com os bichos)... Algumas de boa qualidades, caras, eles simplesmente não comiam! vai entender! Na dúvida procure por aquelas que dizem "satisfação total ou seu dinheiro de volta" essas sim não tem erro, eles adoram! rs, com uma dessas que me "acertei", a Premier. 

Uma informação importante:

ração a varejo

Não comprem rações que sejam vendidas a varejo, aquelas que ficam nos sacos ou latões abertos. Mesmo que o dono da loja (normalmente casas de ração) diga que mantém o saco fechado, ou o latão com tampa, você nunca saberá há quanto tempo aquela ração está lá, exposta à umidade, moscas (e até ratos!).

Abaixo tem uma pesquisa que fiz sobre a ração, sua origem e os tipos, a nível de curiosidade mesmo, pois até uns 10 anos atrás eu não sabia diferenciar uma ração standard de uma premium rs



tigela ração



História e origem da ração

Para o melhor entendimento sobre as rações que fornecemos ao nossos animais, não podemos deixar de começar pela história.  Antigamente, os proprietários dos animais costumavam alimentar seus cães, com restos de caça, restos de comida, testículos de animais que acabavam de ser castrados, entre vários outros tipos de alimentos. Entretanto, começaram a perceber que essas comidas oferecidas para os animais não atingiam a exigência nutricional do cão. Além de não satisfazer as exigências nutricionais, haviam animais que adquiriam endoparasitas devido à alimentação ser crua, como também acontecia de morrerem em decorrência dos temperos utilizados na alimentação da casa.

 Em 1860, James Spratt criou a primeira comida comercial para os cães, chamado “bolo para cão”. Em 1907, o Sr. Bennett criou um alimento completo para os cães, que pudesse suprir as suas exigências nutricionais. Em meados de 1941, os alimentos para cães já eram vendidos em forma enlatada, onde era comum os tutores de animais comprarem esse tipo de produto. Com a intensa crise no mundo, devido à Segunda Guerra Mundial, as fábricas de latas para as rações, tornaram-se de uso exclusivo para armazenar a “ração dos soldados” que ficavam nas linhas de guerra. As rações que conhecemos hoje em forma de grãos, foram criadas em 1957, quando a Purina lançou a novidade no mercado e teve grande aceitação.



Composição da ração

Dentro das rações compradas em lojas especializadas, existem todos os nutrientes que um animal precisa. É uma ciência nutricional que envolve profissionais habilitados a fazer a dieta correta. Dentro das rações existem proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais, elementos estes que são adquiridos através de carne, vegetais naturais, arroz, trigo, grãos de milho, leite, vitaminas e etc. Os ingredientes são elaborados de acordo com a marca da ração e a faixa etária a que ela é destinada, ou seja, existem rações para diferentes situações.



A produção

Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Nas fábricas, a ração, para ser feita, passa por vários processos e etapas na linha de produção. Primeiramente, os operários, sob supervisão de um médico veterinário, pegam e pesam os ingredientes escolhidos pela marca e trituram até formar uma espécie de farinha. Em seguida, colocam numa máquina chamada de misturador, até eles ficarem de forma uniforme. Depois do processo de mistura, os ingredientes misturados são levados a uma máquina chamada extrusora, onde são feitos os grumos da ração do tamanho necessário para que o animal consiga se alimentar. Em seguida, a ração é levada a uma secadora de ar quente, por 30 minutos onde é ressecada a ração, deixando sem umidade. Depois da secagem, ela é jogada em um recipiente que se mantém girando e jogando flavorizantes e gordura, pois o flavorizante irá dar a boa palatabilidade à ração e a gordura serve como energia para o organismo do animal. Depois de preparada, a ração é pesada e armazenada em embalagens que contém todas as informações necessárias que o tutor e o profissional médico veterinário precisam saber.



Diferentes tipos de ração

Existem marcas de rações bastante famosas e de grande eleição pelos tutores de animais. No mercado, é fácil encontrar marcas de rações que não têm nome dentro do mercado, porém são de muito boa qualidade nutricional. As rações, como dito anteriormente, são destinadas para  tipos específicos de cães. Por exemplo: Cão filhote, cão adulto e até mesmo para cão idoso (sênior). Existe também a indicação conforme o porte do animal, se é porte grande ou pequeno. Em toda embalagem de ração, existem as indicações para em que situação utilizar. É sempre indicado a faixa etária que aquela ração pode ser ofertada. Jamais alimente seu animal com ração de faixa etária diferente, pois pode não suprir as exigências nutricionais do seu pet, podendo assim, levar a um quadro de deficiência nutricional. Aos cães filhotes deve ser dada uma atenção maior, já que os mesmo não conseguem, em alguns casos, mastigar a ração do adulto.



Ração Normal

Estas rações são balanceadas, entretanto a qualidade da proteína utilizada é inferior. Contêm farinha de carne e ossos, glúten de milho, gordura animal, etc. Os animais vivem perfeitamente bem com estas rações, entretanto têm que ingerir um volume grande para adquirir os nutrientes na quantidade necessária. E não são “ideais” quanto à digestibilidade porque se alcança o percentual de proteína com ingredientes de menor digestibilidade como a soja ou o glúten. Sendo assim a quantidade de fezes também será maior, pois o organismo do animal não consegue absorver muitos nutrientes. Estas rações geralmente possuem uma grande quantidade de palatabilizantes. Corantes e conservantes também são muito utilizados pelos produtores.

Ração Premium

São produtos de primeira qualidade, em nutrição canina, por isso mais caros. Têm sua formulação baseada em carne de frango, ovelha, peru… Porém, realmente carne, ou resíduos de abatedouro, como digestas de frango por exemplo. Tais ingredientes, de origem animal, têm maior digestibilidade, ou seja, o trato digestivo canino tem menos “trabalho” para metabolizá-los. Esta é outra característica das rações premium, como a digestibilidade é maior, o consumo diário de ração é menor (o que ameniza o preço da ração). Promovem, ainda, uma vida mais saudável e reduzem o volume das fezes do animal. Os produtos classificados como Premium contém conservantes, corantes e palatabilizantes. Existe ainda a Linha Premium Especial, que não possui corantes, como a Golden da Premier Pet e a Performance e Cat Premium da Royal Canin.


(Abro um parênteses aqui pois já ouvi falar -de um veterinário- que as rações premium e super premium são a mesmíssima coisa, que colocam esse SUPER para vender mais caro... será?)

Ração Super Premium

São rações balanceadas com composição ideal para os animais. Elas são produzidas com 100% de proteína animal, que tem maior digestibilidade. Como dito anteriormente, a digestão, absorção e utilização da proteína de carne animal é muito melhor do que das proteínas vegetais. Quanto melhor a digestibilidade, mais fácil a assimilação. Outra vantagem das super premium é que elas utilizam conservantes naturais, não contém corantes e palatabilizantes (substâncias que deixam o alimento com gosto mais apreciado pelos cães e gatos). Hoje, estas rações são balanceadas para seniors, adultos, filhotes, porte e tem formulação específica até para raças e nível de atividade dos animais. Geralmente os preços destas rações são mais elevados, entretanto devemos fazer uma análise do custo-benefício uma vez que com esta qualidade nutricional o volume ingerido necessário para a manutenção do cão / gato é pequeno.
O que queremos dizer com isto é que a ração super premium é tão “concentrada” que o animal entra em saciedade (se sente satisfeito) com uma pequena porção. E como a ração é muito bem absorvida, o volume de fezes produzido consequentemente é pequeno. As melhores marcas de rações Super Premium são: Biofresh, Hill’sRoyal Canin, Pro Plan, Guabi, Premier, N&D e Cibau e Pet Delícia (Alimentação Natural).


Dicas

Como consumidor, para saber se a ração é de alta digestibilidade, ou não, basta analisar na embalagem os ingredientes que compõem a ração. As fontes proteicas devem ser de origem animal (carne de frango, carne de peru, digestas de frango, carne de ovelha, ovos, etc.).
 E as fontes de gordura também, ou pelo menos óleos vegetais nobres como, por exemplo, óleo de linhaça. Fontes proteicas vegetais como soja, glúten, etc. não têm alta digestibilidade. É bom desconfiar de produtos que têm em sua relação de componentes coisas como “carne de aves” (urubú também é ave / e de que parte da ave estão falando? Pena e bico são proteína pura e de baixíssima digestibilidade). O que pode aumentar a digestibilidade da ração é a presença de fibras de moderada fermentação (p.ex. polpa de beterraba branca), que aumenta a eficiência absortiva dos enterócitos. Outro ingrediente que melhora a digestibilidade são os F.O.S. (fruto oligo sacarídeos), que alimentam a microbiota intestinal, ou seja, beneficia o crescimento de “boas bactérias” no intestino, o que leva a uma melhor fermentação do bolo alimentar.

Aqui tem uma listinha com algumas marcas e tipos de rações:

 

Super Premium (ordem alfabética)

- Cibau
Eukanuba
- Guabi Natural
- Hills
- Match Super Premium
- Natural & Delicious
- Nutro Choice
- Ossobuco
- Premier Pet
- Pro Plan
- Royal Canin


Premium (ordem alfabética)

- Faro (Guabi)
- Golden 
- Pedigree
- Premium Dog
- Tutano


Standard ou Comum (ordem alfabética)

- Bonzo
- Croc Dog
- Frolic
- Herói
- Pedigree Champ

0 comentários:

Postar um comentário

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Ração animal

 ração cãoração gato
 (imagens internet)


Desde que me conheço por gente tenho animais de estimação. Não sou tão pré-histórica assim, mas eu lembro que não se tinha tanta preocupação, como hoje em dia, com a alimentação dos bichinhos, principalmente cães e gatos...

Quando eu era pequena, já existiam rações, mas eram caras. E me lembro perfeitamente de minha mãe cozinhando para os peludos! Aquele panelão com arroz para cães, espinafre (em meu quintal tinha espinafre plantado e crescia como mato rsrs lembro das vizinhas sempre pedirem para minha mãe, e com tamanha abundância, ia pra panela dos cães!), talos de legumes, como cenoura, beterraba,  e ora alguma carne ou frango.

Aí cresci. A tal ração em grãos, industrializada se popularizou e o preço se tornou mais acessível.
E cá entre nós: Com a correria do dia-a-dia, é muuuito mais prático né? Só pegar da embalagem e colocar no potinho deles e pronto! Nada de esquentar a barriga no fogão...

Já faz um tempo que observo o quanto hoje em dia, cresceu E MUITO o número de pessoas com seus pets, e o comércio dedicado a eles (pet shop - praticamente vejo um a cada esquina!).
Os tipos de rações tb evoluiu. Antes ao comprar ração, era "qualquer uma" de preferência a "mais barata". E os fabricantes decidiram "pensar mais na saúde" de nossos bichinhos, criando rações especiais, com vitaminas, nutrientes e tantos outros benefícios para eles. 

Ótimo isso, né? Agora (digo por experiência própria) não é somente comprar qualquer ração. Claro que o fator preço ainda pesa (com o aumento da qualidade, encarece...) então agora o negócio é sério rsrs, procuro marcas (isso inclui pesquisas em internet, conversar com o veterinário,ele melhor que ninguém para orientar...) confiáveis, com níveis seguros de que o que diz no rótulo realmente está dentro da embalagem; uma ração que se adeque a cada animal (atualmente tenho 2 cães e 3 gatos de raças e idades diferentes) e tem TANTA opção que as vezes confesso dá um nó na cabeça kkkkk.

Ok, ok, saudáveis, vitaminados, suculentos... MAAAAASSSSS industrializado! Ou seja, contém conservantes, estabilizantes, corantes e inúmeros "antes" para garantir a tal praticidade de tirar da embalagem e servir... Isso seria REALMENTE saudável? Acho e tenho quase certeza que não... Lembro de minha mãe cozinhando... o cheiro era bom! Todo dia cozinhava, era sempre fresquinha a comida, com muitos ingredientes naturais, alguns tirados do próprio quintal de casa, sem conservantes, corantes... e as carnes minha mãe SABIA o que colocava! Pra mim isso era realmente bom para eles! E além dos "antes" contidos nas rações, tem as "carnes"... vai saber o que são... restos triturados! (sabe-se lá restos de que!!!).

 Aaaah mas tal marca garante(e cobra por isso) que são produtos selecionados... tá bom... vc está lá diariamente para comprovar isso? Pra saber se o milho é realmente orgânico? Se colocaram somente o peito do frango? Se "acidentalmente" não tem nenhum bico, pata, cabeça? Se nem mesmo na alimentação humana tem-se um controle rígido (formol no leite, ratos no refrigerante, ácidos...) Nossa, é de pirar o cabeção pensar nisso.... 

E qual seria então o jeito certo? Fazendo nós mesmos (como minha mãe fazia) com ingredientes frescos, sem agrotóxicos! (óbvio que tem sempre gente dando pitaco: "Comida caseira não é indicada, pois favorece o acúmulo de tártaro nos dentes (são aquelas manchas marrons escuras) e se for feita sem orientação, com certeza estará desbalanceada e pode conter ingredientes tóxicos para o cachorro (alho e cebola, por exemplo)"

 Lindo isso né? Mas nada prático...
 Pra começar, nem quintal eu tenho em casa... Tenho em vasos manjericão, alecrim, salsinha, pimenta, maracujá...e só! Não tenho espaço... meu sonho é ter um pomar em casa, muitas árvores frutíferas...ai que lindo seria!!! Como disse, um SONHO! Mas quem sabe, né???? Enquanto ele não se realiza, vamos sobrevivendo a essa selva de pedras rs....

Ah, já ia esquecendooo: como hj em dia é "modinha" ser natureba, vegetariano, vegano (digo que é moda pq tem uma enorme diferença entre dizer que é e realmente ser), claro que os pets não poderiam ficar de fora! Sim, existe rações que se dizem vegetarianas e mesmo VEGANAS! Bacana isso, né? Eu acho, só não acho "bacana" o preço!!!!! Chessusss!!!!!

Já comprei diversas marcas, até me acertar (me acertar não né, acertar com os bichos)... Algumas de boa qualidades, caras, eles simplesmente não comiam! vai entender! Na dúvida procure por aquelas que dizem "satisfação total ou seu dinheiro de volta" essas sim não tem erro, eles adoram! rs, com uma dessas que me "acertei", a Premier. 

Uma informação importante:

ração a varejo

Não comprem rações que sejam vendidas a varejo, aquelas que ficam nos sacos ou latões abertos. Mesmo que o dono da loja (normalmente casas de ração) diga que mantém o saco fechado, ou o latão com tampa, você nunca saberá há quanto tempo aquela ração está lá, exposta à umidade, moscas (e até ratos!).

Abaixo tem uma pesquisa que fiz sobre a ração, sua origem e os tipos, a nível de curiosidade mesmo, pois até uns 10 anos atrás eu não sabia diferenciar uma ração standard de uma premium rs



tigela ração



História e origem da ração

Para o melhor entendimento sobre as rações que fornecemos ao nossos animais, não podemos deixar de começar pela história.  Antigamente, os proprietários dos animais costumavam alimentar seus cães, com restos de caça, restos de comida, testículos de animais que acabavam de ser castrados, entre vários outros tipos de alimentos. Entretanto, começaram a perceber que essas comidas oferecidas para os animais não atingiam a exigência nutricional do cão. Além de não satisfazer as exigências nutricionais, haviam animais que adquiriam endoparasitas devido à alimentação ser crua, como também acontecia de morrerem em decorrência dos temperos utilizados na alimentação da casa.

 Em 1860, James Spratt criou a primeira comida comercial para os cães, chamado “bolo para cão”. Em 1907, o Sr. Bennett criou um alimento completo para os cães, que pudesse suprir as suas exigências nutricionais. Em meados de 1941, os alimentos para cães já eram vendidos em forma enlatada, onde era comum os tutores de animais comprarem esse tipo de produto. Com a intensa crise no mundo, devido à Segunda Guerra Mundial, as fábricas de latas para as rações, tornaram-se de uso exclusivo para armazenar a “ração dos soldados” que ficavam nas linhas de guerra. As rações que conhecemos hoje em forma de grãos, foram criadas em 1957, quando a Purina lançou a novidade no mercado e teve grande aceitação.



Composição da ração

Dentro das rações compradas em lojas especializadas, existem todos os nutrientes que um animal precisa. É uma ciência nutricional que envolve profissionais habilitados a fazer a dieta correta. Dentro das rações existem proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais, elementos estes que são adquiridos através de carne, vegetais naturais, arroz, trigo, grãos de milho, leite, vitaminas e etc. Os ingredientes são elaborados de acordo com a marca da ração e a faixa etária a que ela é destinada, ou seja, existem rações para diferentes situações.



A produção

Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Nas fábricas, a ração, para ser feita, passa por vários processos e etapas na linha de produção. Primeiramente, os operários, sob supervisão de um médico veterinário, pegam e pesam os ingredientes escolhidos pela marca e trituram até formar uma espécie de farinha. Em seguida, colocam numa máquina chamada de misturador, até eles ficarem de forma uniforme. Depois do processo de mistura, os ingredientes misturados são levados a uma máquina chamada extrusora, onde são feitos os grumos da ração do tamanho necessário para que o animal consiga se alimentar. Em seguida, a ração é levada a uma secadora de ar quente, por 30 minutos onde é ressecada a ração, deixando sem umidade. Depois da secagem, ela é jogada em um recipiente que se mantém girando e jogando flavorizantes e gordura, pois o flavorizante irá dar a boa palatabilidade à ração e a gordura serve como energia para o organismo do animal. Depois de preparada, a ração é pesada e armazenada em embalagens que contém todas as informações necessárias que o tutor e o profissional médico veterinário precisam saber.



Diferentes tipos de ração

Existem marcas de rações bastante famosas e de grande eleição pelos tutores de animais. No mercado, é fácil encontrar marcas de rações que não têm nome dentro do mercado, porém são de muito boa qualidade nutricional. As rações, como dito anteriormente, são destinadas para  tipos específicos de cães. Por exemplo: Cão filhote, cão adulto e até mesmo para cão idoso (sênior). Existe também a indicação conforme o porte do animal, se é porte grande ou pequeno. Em toda embalagem de ração, existem as indicações para em que situação utilizar. É sempre indicado a faixa etária que aquela ração pode ser ofertada. Jamais alimente seu animal com ração de faixa etária diferente, pois pode não suprir as exigências nutricionais do seu pet, podendo assim, levar a um quadro de deficiência nutricional. Aos cães filhotes deve ser dada uma atenção maior, já que os mesmo não conseguem, em alguns casos, mastigar a ração do adulto.



Ração Normal

Estas rações são balanceadas, entretanto a qualidade da proteína utilizada é inferior. Contêm farinha de carne e ossos, glúten de milho, gordura animal, etc. Os animais vivem perfeitamente bem com estas rações, entretanto têm que ingerir um volume grande para adquirir os nutrientes na quantidade necessária. E não são “ideais” quanto à digestibilidade porque se alcança o percentual de proteína com ingredientes de menor digestibilidade como a soja ou o glúten. Sendo assim a quantidade de fezes também será maior, pois o organismo do animal não consegue absorver muitos nutrientes. Estas rações geralmente possuem uma grande quantidade de palatabilizantes. Corantes e conservantes também são muito utilizados pelos produtores.

Ração Premium

São produtos de primeira qualidade, em nutrição canina, por isso mais caros. Têm sua formulação baseada em carne de frango, ovelha, peru… Porém, realmente carne, ou resíduos de abatedouro, como digestas de frango por exemplo. Tais ingredientes, de origem animal, têm maior digestibilidade, ou seja, o trato digestivo canino tem menos “trabalho” para metabolizá-los. Esta é outra característica das rações premium, como a digestibilidade é maior, o consumo diário de ração é menor (o que ameniza o preço da ração). Promovem, ainda, uma vida mais saudável e reduzem o volume das fezes do animal. Os produtos classificados como Premium contém conservantes, corantes e palatabilizantes. Existe ainda a Linha Premium Especial, que não possui corantes, como a Golden da Premier Pet e a Performance e Cat Premium da Royal Canin.


(Abro um parênteses aqui pois já ouvi falar -de um veterinário- que as rações premium e super premium são a mesmíssima coisa, que colocam esse SUPER para vender mais caro... será?)

Ração Super Premium

São rações balanceadas com composição ideal para os animais. Elas são produzidas com 100% de proteína animal, que tem maior digestibilidade. Como dito anteriormente, a digestão, absorção e utilização da proteína de carne animal é muito melhor do que das proteínas vegetais. Quanto melhor a digestibilidade, mais fácil a assimilação. Outra vantagem das super premium é que elas utilizam conservantes naturais, não contém corantes e palatabilizantes (substâncias que deixam o alimento com gosto mais apreciado pelos cães e gatos). Hoje, estas rações são balanceadas para seniors, adultos, filhotes, porte e tem formulação específica até para raças e nível de atividade dos animais. Geralmente os preços destas rações são mais elevados, entretanto devemos fazer uma análise do custo-benefício uma vez que com esta qualidade nutricional o volume ingerido necessário para a manutenção do cão / gato é pequeno.
O que queremos dizer com isto é que a ração super premium é tão “concentrada” que o animal entra em saciedade (se sente satisfeito) com uma pequena porção. E como a ração é muito bem absorvida, o volume de fezes produzido consequentemente é pequeno. As melhores marcas de rações Super Premium são: Biofresh, Hill’sRoyal Canin, Pro Plan, Guabi, Premier, N&D e Cibau e Pet Delícia (Alimentação Natural).


Dicas

Como consumidor, para saber se a ração é de alta digestibilidade, ou não, basta analisar na embalagem os ingredientes que compõem a ração. As fontes proteicas devem ser de origem animal (carne de frango, carne de peru, digestas de frango, carne de ovelha, ovos, etc.).
 E as fontes de gordura também, ou pelo menos óleos vegetais nobres como, por exemplo, óleo de linhaça. Fontes proteicas vegetais como soja, glúten, etc. não têm alta digestibilidade. É bom desconfiar de produtos que têm em sua relação de componentes coisas como “carne de aves” (urubú também é ave / e de que parte da ave estão falando? Pena e bico são proteína pura e de baixíssima digestibilidade). O que pode aumentar a digestibilidade da ração é a presença de fibras de moderada fermentação (p.ex. polpa de beterraba branca), que aumenta a eficiência absortiva dos enterócitos. Outro ingrediente que melhora a digestibilidade são os F.O.S. (fruto oligo sacarídeos), que alimentam a microbiota intestinal, ou seja, beneficia o crescimento de “boas bactérias” no intestino, o que leva a uma melhor fermentação do bolo alimentar.

Aqui tem uma listinha com algumas marcas e tipos de rações:

 

Super Premium (ordem alfabética)

- Cibau
Eukanuba
- Guabi Natural
- Hills
- Match Super Premium
- Natural & Delicious
- Nutro Choice
- Ossobuco
- Premier Pet
- Pro Plan
- Royal Canin


Premium (ordem alfabética)

- Faro (Guabi)
- Golden 
- Pedigree
- Premium Dog
- Tutano


Standard ou Comum (ordem alfabética)

- Bonzo
- Croc Dog
- Frolic
- Herói
- Pedigree Champ

Nenhum comentário:

Postar um comentário