domingo, 31 de janeiro de 2016

História da Arte




O termo História da Arte costuma designar o conjunto das obras de uma época, país ou escola das artes visuais. 
A arte é a expressão máxima do momento, seja ele histórico ou pessoal.
 Os historiadores de arte procuram determinar os períodos que empregam um certo estilo estético por 'movimentos'. 
A arte registra as ideias e os ideais das culturas e etnias, sendo, assim, importante para a compreensão da história do Homem e do mundo.
Na linguagem comum, o termo história da arte costuma referir-se à história das artes visuais  mais tradicionais, como a pintura, escultura e arquitetura . 

 Se bem que as ideias sobre a definição de arte tenham sofrido mudanças ao longo do tempo, o campo da história da arte tenta categorizar as mudanças na arte  ao longo do tempo e compreender melhor a forma como a arte modela e é modelada pelas perspectivas e impulsos criativos dos seus praticantes. 
Embora muitos pensem na história da arte simplesmente como o estudo da sua evolução ocidental, o assunto inclui toda a arte, dos sumegalitos da Europa Ocidental  às pinturas da dinastia Tang, na China.

Saiba sobre o Expressionismo AQUI

Saiba sobre o Abstracionismo AQUI 

Saiba sobre o Impressionismo AQUI

Saiba sobre o Cubismo AQUI 

Saiba sobre o Expressionismo Abstrato AQUI

Saiba sobre o Futurismo AQUI

Saiba sobre o Modernismo AQUI

Saiba sobre o Naturalismo AQUI

Saiba sobre o Simbolismo AQUI

Saiba sobre o Realismo AQUI

Saiba sobre o Romantismo AQUI

Saiba sobre o Tropicalismo AQUI







Se for presentear com flores.... saiba o significado de algumas...



Rosas
Símbolo da virtude e do pecado. Arranjos de rosas representam o amor e suas nuances. Para cada cor destas flores, existe um significado. São eles:
Rosa Vermelha: amor intenso, paixão.
Rosa Amarela: amizade e felicidade
Rosa Branca: pureza e paz

Rosa Cor de Rosa: carinho, gratidão, doçura e charme.
Rosa Champanhe: respeito e admiração









Agérato
Significa pureza de espírito, a purificação das emoções.





Astromélia
Essas flores representam amizade eterna e felicidade plena.




Azaléia
Arranjos de azaléia têm como significado elegância e felicidade.




Begônia
Significa pureza de espírito, a purificação das emoções. 




Bromélia
Essas flores representam amizade eterna e felicidade plena. 









Ciclame
Arranjos de azaléia têm como significado elegância e felicidade. 



Gérbera
Estas flores significam a inocência das crianças. Excelentes presentes, elas representam também a sensibilidade, a sensualidade, o charme e a essência, o amor e a nobreza, a virtude a dedicação e a quietude, a alegria e a simplicidade, e a pureza. São flores perfeitas para arranjos ou cestas para entrega em eventos jovens e dinâmicos.





Copo de leite
Representa inocência e pureza, associa-se ao sagrado e simboliza a paz. 









Cravo
Representa o amor puro e latente, a entrega e também a
liberdade. 







Frésia
Significam calma e a essência da amizade. 

 

Girassol
Representam dignidade, glória e paixão, sugerindo uma altivez com alegria, respeito e integridade.






Lírio
Verdadeiras barreiras contra inocência, paz,saudade, proteção, nobreza, majestade.







Lisianthus
Lisianthus representam sofisticação e elegância. Remete a romances, casamentos e entrega amorosa.







Orquídea

O Brasil é um dos países mais ricos do mundo em orquídeas. Somado ao Equador e à Colômbia, registra cerca de 2.300 variedades. Este tipo de flor Possui diversos significados: beleza feminina, amor, desejo, pureza espiritual, perfeição, sabedoria e luxúria, podendo transmitir com muita força e presença diversos sentimentos. O mais refinado dos presentes!



Margarida
Representam simplicidade, pureza, confiança e criatividade na hora da dúvida. 

 



Prímula

Representa equilíbrio, juventude e objetividade. Ótima sempre que se deseja demonstrar apoio. 





TulipaTulipas significam a beleza, a prosperidade e a independência 



Espelhos! Aprenda como e quando usá-los !

Espelhos e interiores

Os espelhos são sempre muito requisitados quando o assunto é um projeto de interiores. Comumente aplicados em ambientes pequenos, ou ainda quando se quer ampliar mais um espaço; os espelhos também podem ser usados para revestir diferentes materiais, com funções distintas e obter sempre um resultado requintado e charmoso.
A aplicação dos espelhos normalmente é feita quando se chega na parte da produção final do espaço, ou seja, quando está tudo concluído em sua obra: escritório, casa, o ambiente em questão.
Quando o local já está finalizado, com papel de parede aplicado, se for o caso, ou a pintura já foi finalizada, aí o seu espelho é instalado.
Ele pode vir como uma peça decorativa; para fazer a composição com os outros móveis e objetos de decoração, ou ele já foi pensado na fase de projeto, como, por exemplo, portas de armário de correr com espelho aplicado, que têm uma função além de estética, também funcional a ser usado no dia-a-dia. 


O uso do espelho para ampliar ambientes
Os espelhos podem ser usados apenas em uma parte da parede, colado diretamente nela, ou revesti-la totalmente também.
Neste último caso, podemos criar o efeito de amplitude ao ambiente, já que com ele você consegue criar a impressão de que o espaço existente “dobrou” de tamanho.
Por exemplo, em salas de estar ou jantar pequenas, em hall de entrada ou ainda em banheiros, dependendo do modo da aplicação pode-se obter esse efeito.
ambiente com espelho ambiente espelhado
Neste caso, foi usado um espelho num recorte da parede onde foi encostada a mesa de jantar feita em vidro, criando o efeito de continuidade e leveza do espaço, além, claro de ampliá-lo.

espelho
Outro exemplo do uso de espelhos para ampliar o ambiente, além de criar importância a obra de arte pendurada na parede.




Espelhos como objetos de decoração

Seu espelho pode ter um corte reto, com uma moldura bem moderna, ou, pode ser aplicada uma moldura dourada e antiga, para compor com um ambiente mais clássico.
espelhos na decoração espelho antigo

Acima dois exemplos bem ilustrativos de como utilizar os espelhos como objetos que “fazem parte” da decoração.
No primeiro caso, usou-se um espelho oval com uma moldura trabalhada dando charme e classe ao lavabo.
Na segunda imagem, uma moldura rebuscada, dourada e envelhecida cria um ar clássico no espaço.
A cor da parede, neste caso ajudou na composição, dando sobriedade e requinte ao living.
Nos dois casos o uso de arandelas para a iluminação funciona como complemento da decoração no mesmo estilo clássico explorado.

Espelhos bisotados ou chanfrados

Os espelhos podem ter um trabalho chamado bisotê, ou, espelho bisotado, como dizem, onde as bordas são trabalhadas e chanfradas em angulação.
Essas bordas podem ser feitas com um ou dois centímetros, para dar leveza e criar uma moldura delicada ao seu espelho.

Nesta imagem os dois espelhos não possuem molduras, mas são bisotados com dois centímetros.
Nesta proporção usada da relação entre o tamanho dos espelhos e do bisotê aplicado, e ainda entre o formato do espelho com relação ao tamanho da parede, deixa a sala de jantar com ar moderno e dá leveza à mesma.



O espelho e iluminação no banheiro
Normalmente em banheiros vemos aplicação de espelhos trabalhando com uma iluminação, pensada em conjunto, para compor o ambiente já que, neste caso é preciso da luz para a função a que se destina o espelho: por exemplo, para se maquiar, fazer a barba, entre outros.

Nos exemplos abaixo temos dois banheiros com aplicações diferentes de iluminação: no primeiro caso, foi pensado num modelo de “camarim”, com lâmpadas diretas e pontuais nas laterais do espelho, recortadas e encaixadas em um chassi de madeira, feito em marcenaria.
No segundo exemplo, bem mais moderno e requintado, o espelho está colado em um chassi de madeira, sem bisotê, com uma distância de no mínimo oito centímetros da parede, para poder embutir as lâmpadas, que podem ser T5, mangueiras de xenon, ou de led. O efeito é maravilhoso!

espelhos no banheiro espelho decorando o banheiro




O espelho e iluminação nos ambientes da casa

É possível usar a iluminação em conjunto com os espelhos em diversos outros casos, como exemplo, a foto citada acima do living com um espelho grande em moldura e duas arandelas laterais.
Uma opção barata e que cria um efeito muito interessante é o seguinte: você pode comprar 2 espelhos com tamanho padrão em lojas de departamentos, pintá-los, ou não, como no caso da imagem abaixo, e apoiá-los na lateral de um móvel baixo, ou um aparador; capriche na produção sobre o móvel e terá um ótimo efeito na sua sala de jantar ou estar.
espelho decorativo



Os móveis e detalhes que fazem toda diferença

A leveza de que tanto se fala quando o assunto é espelhos pode ser vista e exemplificada quando revestimos algum item de decoração com espelhos.
espelhos espelhos e brilhos

Proj.: Vânia Garcia

 
Nos dois casos, são tipos, formatos e aplicações diferentes, mas em ambos vemos a leveza e o charme das peças.
Na primeira imagem, mesas de tamanhos iguais, retangulares foram revestidas de espelho, muito modernas.
Na segunda, a mesa redonda tem aplicação de espelhos na lateral, e forma de um mosaico, maravilhoso!
Outra idéia muito charmosa é criar num móvel feito em marcenaria, portas revestidas de espelho bisotado, ou ainda, usar espelho apenas no detalhe do puxador, que pode ser em formato de cava, fica muito delicado, e todo o móvel pintado em laca, por exemplo.
Veja que é possível criar uma atmosfera toda especial, dependendo da escolha do espelho que quer ter e qual será a função dele, mesmo que seja apenas estética.


venda de espelhos

Cortinas - dúvidas

Acho que cortinas são muito pessoais (no quesito gosto/ modelo)
Na minha sala, uso uma de varão, com ponteiras que eu a-d-o-r-o (mas acabei de descobrir que elas não estão mais na moda... dane-se! kkkkk eu gosto bastante, demorei séculos para achar um modelo que eu gostasse e elas nem são tão cheias de fru-frus, só tem uns cristaizinhos, bem discreta)kkkkk
Abaixo separei umas dicas legais, espero que gostem!


Dúvidas sobre cortinas

Cortina ou persiana: qual escolher?
Na maioria das vezes, depende do gosto do morador. Salvo em situações nas quais a persiana é a mais indicada, como quando há pessoas muito alérgicas a poeira na casa, não existe uma norma. Grande parte dos profissionais, no entanto, declara que as cortinas têm o poder de imprimir uma atmosfera mais acolhedora e elegante aos projetos.
 
Que modelos de cortinas estão em alta?
As tendências apontam para os mais leves e fluidos, menos volumosos e com ótimo caimento. “Os de aspecto pesado e rígido são pouco vistos atualmente”, afirma o arquiteto Diego Revollo. Outra novidade, segundo o arquiteto René Fernandes Filho: a volta das estampas, comuns nos anos 1970. “Até há pouco, as cortinas deveriam ser o mais neutras possível, mas isso mudou, pois agora vale fazer delas um elemento forte da decoração”, afirma ele. A campeã de citações, a do tipo wave, embora presa num trilho, reproduz as ondulações obtidas com o uso de ilhoses num varão.
 (cortina wave)
 
Quando usar trilho ou varão?
Indica-se o primeiro quando há um cortineiro, de gesso ou madeira, capaz de disfarçar sua presença. Existem casos em que o trilho, muito discreto, pode ficar aparente, mas, em geral, o suporte permanece oculto. 



Já o varão se mantém à vista, e costuma entrar em cena nos ambientes com forro que acompanha a inclinação do telhado ou se o desejo for torná-lo parte da ambientação. Versões mais chamativas, com ponteiras ornamentadas, estão em desuso.

 
Como calcular a quantidade de tecido?
Meça a largura da janela (2 m, por exemplo) e multiplique por dois: 2 x 2 = 4 Então tire a medida da altura (digamos que o pé-direito tenha 2,60 m) e some 60 cm, medida suficiente para a confecção da barra e do cabeçote: 2,60 + 0,60 = 3,20 Por fim, multiplique os resultados: 4 x 3,20 = 12,80 m A fórmula vale para um tecido com 1,40 m de largura. Caso ele tenha 3 m de largura, poderá ser usado na horizontal, o que dispensa emendas. A metragem necessária, nesse caso, cai pela metade.




esquema-duvidas-sobre-cortinas-respondidas-por-profissionais
Carlos Campoy
 












As cortinas devem ocupar apenas a janela ou a parede inteira?



A menos que exista algum obstáculo, como um aparador sob a abertura, elas ficarão mais elegantes se alcançarem o piso. 









 

Caso não seja possível, prefira um modelo romano ou uma persiana. “Cortinas curtas           funcionam apenas em quartos de bebê”, avisa Paulo Rossi, da Interiores Confecções. Com relação à largura, não há regra. 
                                                                                                                                      
“Quando a esquadria é descentralizada, recomendo encobrir toda a parede para disfarçar a diferença entre os lados”, diz René.
 

Em ambientes com várias janelas, as cortinas devem ser todas iguais?
Recomenda-se padronizar. “Se uma delas fica acima de um móvel, por exemplo, pode-se cobri-la com um modelo romano, mais curto, e usar cortinas longas nas demais. O resultado será mais harmônico se todas forem do mesmo tecido”, ensina Paulo. Outra sugestão vem de René: “É viável valorizar uma porta-balcão com a cortina e instalar telas solares nas janelas, com bom gosto e originalidade”.

 
O que usar em banheiros e cozinhas?
Melhor investir em persianas, de preferência metálicas, ou telas solares. Ambas são mais fáceis de limpar, detalhe fundamental em espaços expostos a gordura e umidade. Se a esquadria ficar fora do boxe ou longe do fogão, vale instalar uma cortina romana, mas de tecido sintético, que possa ser lavado frequentemente.
 

 
Quais as opções mais indicadas para pessoas alérgicas a poeira?
Independentemente do tecido escolhido, cortinas tendem a acumular pó. Por isso, especialistas indicam persianas de madeira ou alumínio para moradas de alérgicos. “Sua superfície não é porosa, o que torna simples a manutenção. Escova e aspirador bastam, ou pano úmido, em alguns casos”, diz Betty Rodrigues, diretora comercial da Uniflex Mateus Grou. Quem sofre com o problema, porém não abre mão de cortinas, pode confeccionar modelos de voal ou de outros tecidos 100% poliéster, que permitem lavagens constantes sem estragar.


 
E para abafar ruídos?
Nenhuma opção se revela totalmente eficaz, mas blecautes e cortinas grossas – de veludo, sarja de algodão, jeans e linho – podem ajudar bastante.
 
Quais as pregas e os tecidos mais utilizados?
Além da wave, segue firme a prega americana – tanto na versão tradicional, com o franzido embaixo, quanto na invertida, com a costura no alto. “A prega macho também não sai de moda”, garante a designer de interiores Isabel Morellato, proprietária da La Belle Bergère, empresa do segmento. Na matéria-prima, destacam-se as tramas sintéticas, de linho ou gaze de linho com poliéster: a aparência imita a da fibra 100% natural, mas sem os inconvenientes de encolher e amassar.
 
Que opções são mais eficazes para barrar o excesso de sol?
Se o espaço sofre com claridade demasiada, a pedida é investir num forro – além de filtrar a luz, o recurso protegerá a trama. Caso queira escurecer completamente a área, compre um modelo blecaute, já sabendo que ele tem um ponto fraco: o visual plastificado. “Há cerca de cinco anos, surgiram os chamados blecaute 70%, de aparência mais natural. Eles não vedam a janela completamente, mas podem, inclusive, tomar o lugar da cortina”, conta Paulo. Outras opções de forro são o tergal verão e a gabardine. Existe, ainda, a chance de combinar persianas ou telas solares a cortinas.
 (fonte: http://casa.abril.com.br)

Dicas de conservação de plantas e flores

Quando receber um buquê:

• Antes de colocar as flores na água, retire das hastes as folhas inferiores que possam ficar em contato com a água do vaso.
• Corte 2 cm da base da haste em diagonal. Os cortes devem ser feitos assim que receber as flores e a cada troca de água. Utilize uma tesoura de poda ou estilete bem afiados, para não provocar o esmagamento dos canais de absorção da haste floral. É melhor que esses cortes sejam feitos com a parte da haste a ser cortada dentro da água, evitando assim que se formem bolhas de ar nos canais de absorção.

• Sempre utilize água fresca e troque-a diariamente.

• É aconselhável utilizar produtos conservantes ou hidratantes na água (encontrados nas lojas de produtos e acessórios para flores e plantas).

• O vaso deve ser mantido sempre limpo e em local fresco e arejado.


Quando receber um arranjo:

• Mantenha o arranjo em um local arejado evitando ar condicionado, exposição direta ao sol, aquecedores ou ventos fortes.

• As flores e folhagens são espetados normalmente em espuma floral, o que prolonga a vida da flor. Mesmo assim, diferentes flores não possuem a mesma durabilidade. As que forem murchando primeiro devem ser cuidadosamente retiradas para que não prejudiquem a duração das outras.

• A espuma floral deve ser molhada constantemente.

• Rosas e folhagens verdes gostam de ser borrifadas com água, outras flores não devem ser borrifadas.




Quando receber uma planta em vaso:

• Cada planta tem uma necessidade diferente: rega, luminosidade, adubo e pulverização... contudo todas devem ter algumas necessidades básicas atendidas para sobreviverem.

• Procure em lojas de jardinagem adubos apropriados para a planta recebida. Normalmente o adubo deve ser posto uma vez por mês.

• Não molhe as flores quando for pulverizar a planta.

• Evite acúmulo de água no pratinho, isto pode causar apodrecimento das raízes e morte das plantas. O ideal é colocar areia no pratinho, para evitar a entrada da larva do mosquito da dengue.

• Faça a limpeza constante das plantas retirando folhas velhas, secas e doentes.

• Nunca encharque a terra ou substrato da planta, é preferível um maior número de regas com menor quantidade de água a poucas regas com abundância de água.

• Para saber se está na hora de molhar, coloque o dedo no substrato da planta pressionando-o. Se o dedo ficar sujo com partículas aderindo não precisa molhar. Se o dedo ficar praticamente limpo, apenas com uma poeira seca, é hora de regar.






Dicas para cada tipo diferente de plantas e flores



Azaléia

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Begônia

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se melhor a ambientes internos.


Bromélia Fascista

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Chrisanthemum

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Gérbera

Gosta de muita luz e pode ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Girassol

Gosta de muita luz e pode ficar diretamente exposto ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Hortênsia

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; a flor deve ser pulverizada com água; adapta-se a ambientes internos e externos.


Lírio da paz

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que seque um pouco a cada rega; as folhas devem ser pulverizadas regularmente; adapta-se a ambientes internos e externos.

Orquídeas

Gostam de muita luz, mas não devem ficar diretamente expostas ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que sequem um pouco a cada rega; adaptam-se a ambientes internos e externos.


Tulipa

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que seque um pouco a cada rega; adapta-se melhor a ambientes internos.


Violeta

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que seque um pouco a cada rega; adapta-se melhor a ambientes internos.



domingo, 31 de janeiro de 2016

História da Arte




O termo História da Arte costuma designar o conjunto das obras de uma época, país ou escola das artes visuais. 
A arte é a expressão máxima do momento, seja ele histórico ou pessoal.
 Os historiadores de arte procuram determinar os períodos que empregam um certo estilo estético por 'movimentos'. 
A arte registra as ideias e os ideais das culturas e etnias, sendo, assim, importante para a compreensão da história do Homem e do mundo.
Na linguagem comum, o termo história da arte costuma referir-se à história das artes visuais  mais tradicionais, como a pintura, escultura e arquitetura . 

 Se bem que as ideias sobre a definição de arte tenham sofrido mudanças ao longo do tempo, o campo da história da arte tenta categorizar as mudanças na arte  ao longo do tempo e compreender melhor a forma como a arte modela e é modelada pelas perspectivas e impulsos criativos dos seus praticantes. 
Embora muitos pensem na história da arte simplesmente como o estudo da sua evolução ocidental, o assunto inclui toda a arte, dos sumegalitos da Europa Ocidental  às pinturas da dinastia Tang, na China.

Saiba sobre o Expressionismo AQUI

Saiba sobre o Abstracionismo AQUI 

Saiba sobre o Impressionismo AQUI

Saiba sobre o Cubismo AQUI 

Saiba sobre o Expressionismo Abstrato AQUI

Saiba sobre o Futurismo AQUI

Saiba sobre o Modernismo AQUI

Saiba sobre o Naturalismo AQUI

Saiba sobre o Simbolismo AQUI

Saiba sobre o Realismo AQUI

Saiba sobre o Romantismo AQUI

Saiba sobre o Tropicalismo AQUI







Se for presentear com flores.... saiba o significado de algumas...



Rosas
Símbolo da virtude e do pecado. Arranjos de rosas representam o amor e suas nuances. Para cada cor destas flores, existe um significado. São eles:
Rosa Vermelha: amor intenso, paixão.
Rosa Amarela: amizade e felicidade
Rosa Branca: pureza e paz

Rosa Cor de Rosa: carinho, gratidão, doçura e charme.
Rosa Champanhe: respeito e admiração









Agérato
Significa pureza de espírito, a purificação das emoções.





Astromélia
Essas flores representam amizade eterna e felicidade plena.




Azaléia
Arranjos de azaléia têm como significado elegância e felicidade.




Begônia
Significa pureza de espírito, a purificação das emoções. 




Bromélia
Essas flores representam amizade eterna e felicidade plena. 









Ciclame
Arranjos de azaléia têm como significado elegância e felicidade. 



Gérbera
Estas flores significam a inocência das crianças. Excelentes presentes, elas representam também a sensibilidade, a sensualidade, o charme e a essência, o amor e a nobreza, a virtude a dedicação e a quietude, a alegria e a simplicidade, e a pureza. São flores perfeitas para arranjos ou cestas para entrega em eventos jovens e dinâmicos.





Copo de leite
Representa inocência e pureza, associa-se ao sagrado e simboliza a paz. 









Cravo
Representa o amor puro e latente, a entrega e também a
liberdade. 







Frésia
Significam calma e a essência da amizade. 

 

Girassol
Representam dignidade, glória e paixão, sugerindo uma altivez com alegria, respeito e integridade.






Lírio
Verdadeiras barreiras contra inocência, paz,saudade, proteção, nobreza, majestade.







Lisianthus
Lisianthus representam sofisticação e elegância. Remete a romances, casamentos e entrega amorosa.







Orquídea

O Brasil é um dos países mais ricos do mundo em orquídeas. Somado ao Equador e à Colômbia, registra cerca de 2.300 variedades. Este tipo de flor Possui diversos significados: beleza feminina, amor, desejo, pureza espiritual, perfeição, sabedoria e luxúria, podendo transmitir com muita força e presença diversos sentimentos. O mais refinado dos presentes!



Margarida
Representam simplicidade, pureza, confiança e criatividade na hora da dúvida. 

 



Prímula

Representa equilíbrio, juventude e objetividade. Ótima sempre que se deseja demonstrar apoio. 





TulipaTulipas significam a beleza, a prosperidade e a independência 



Espelhos! Aprenda como e quando usá-los !

Espelhos e interiores

Os espelhos são sempre muito requisitados quando o assunto é um projeto de interiores. Comumente aplicados em ambientes pequenos, ou ainda quando se quer ampliar mais um espaço; os espelhos também podem ser usados para revestir diferentes materiais, com funções distintas e obter sempre um resultado requintado e charmoso.
A aplicação dos espelhos normalmente é feita quando se chega na parte da produção final do espaço, ou seja, quando está tudo concluído em sua obra: escritório, casa, o ambiente em questão.
Quando o local já está finalizado, com papel de parede aplicado, se for o caso, ou a pintura já foi finalizada, aí o seu espelho é instalado.
Ele pode vir como uma peça decorativa; para fazer a composição com os outros móveis e objetos de decoração, ou ele já foi pensado na fase de projeto, como, por exemplo, portas de armário de correr com espelho aplicado, que têm uma função além de estética, também funcional a ser usado no dia-a-dia. 


O uso do espelho para ampliar ambientes
Os espelhos podem ser usados apenas em uma parte da parede, colado diretamente nela, ou revesti-la totalmente também.
Neste último caso, podemos criar o efeito de amplitude ao ambiente, já que com ele você consegue criar a impressão de que o espaço existente “dobrou” de tamanho.
Por exemplo, em salas de estar ou jantar pequenas, em hall de entrada ou ainda em banheiros, dependendo do modo da aplicação pode-se obter esse efeito.
ambiente com espelho ambiente espelhado
Neste caso, foi usado um espelho num recorte da parede onde foi encostada a mesa de jantar feita em vidro, criando o efeito de continuidade e leveza do espaço, além, claro de ampliá-lo.

espelho
Outro exemplo do uso de espelhos para ampliar o ambiente, além de criar importância a obra de arte pendurada na parede.




Espelhos como objetos de decoração

Seu espelho pode ter um corte reto, com uma moldura bem moderna, ou, pode ser aplicada uma moldura dourada e antiga, para compor com um ambiente mais clássico.
espelhos na decoração espelho antigo

Acima dois exemplos bem ilustrativos de como utilizar os espelhos como objetos que “fazem parte” da decoração.
No primeiro caso, usou-se um espelho oval com uma moldura trabalhada dando charme e classe ao lavabo.
Na segunda imagem, uma moldura rebuscada, dourada e envelhecida cria um ar clássico no espaço.
A cor da parede, neste caso ajudou na composição, dando sobriedade e requinte ao living.
Nos dois casos o uso de arandelas para a iluminação funciona como complemento da decoração no mesmo estilo clássico explorado.

Espelhos bisotados ou chanfrados

Os espelhos podem ter um trabalho chamado bisotê, ou, espelho bisotado, como dizem, onde as bordas são trabalhadas e chanfradas em angulação.
Essas bordas podem ser feitas com um ou dois centímetros, para dar leveza e criar uma moldura delicada ao seu espelho.

Nesta imagem os dois espelhos não possuem molduras, mas são bisotados com dois centímetros.
Nesta proporção usada da relação entre o tamanho dos espelhos e do bisotê aplicado, e ainda entre o formato do espelho com relação ao tamanho da parede, deixa a sala de jantar com ar moderno e dá leveza à mesma.



O espelho e iluminação no banheiro
Normalmente em banheiros vemos aplicação de espelhos trabalhando com uma iluminação, pensada em conjunto, para compor o ambiente já que, neste caso é preciso da luz para a função a que se destina o espelho: por exemplo, para se maquiar, fazer a barba, entre outros.

Nos exemplos abaixo temos dois banheiros com aplicações diferentes de iluminação: no primeiro caso, foi pensado num modelo de “camarim”, com lâmpadas diretas e pontuais nas laterais do espelho, recortadas e encaixadas em um chassi de madeira, feito em marcenaria.
No segundo exemplo, bem mais moderno e requintado, o espelho está colado em um chassi de madeira, sem bisotê, com uma distância de no mínimo oito centímetros da parede, para poder embutir as lâmpadas, que podem ser T5, mangueiras de xenon, ou de led. O efeito é maravilhoso!

espelhos no banheiro espelho decorando o banheiro




O espelho e iluminação nos ambientes da casa

É possível usar a iluminação em conjunto com os espelhos em diversos outros casos, como exemplo, a foto citada acima do living com um espelho grande em moldura e duas arandelas laterais.
Uma opção barata e que cria um efeito muito interessante é o seguinte: você pode comprar 2 espelhos com tamanho padrão em lojas de departamentos, pintá-los, ou não, como no caso da imagem abaixo, e apoiá-los na lateral de um móvel baixo, ou um aparador; capriche na produção sobre o móvel e terá um ótimo efeito na sua sala de jantar ou estar.
espelho decorativo



Os móveis e detalhes que fazem toda diferença

A leveza de que tanto se fala quando o assunto é espelhos pode ser vista e exemplificada quando revestimos algum item de decoração com espelhos.
espelhos espelhos e brilhos

Proj.: Vânia Garcia

 
Nos dois casos, são tipos, formatos e aplicações diferentes, mas em ambos vemos a leveza e o charme das peças.
Na primeira imagem, mesas de tamanhos iguais, retangulares foram revestidas de espelho, muito modernas.
Na segunda, a mesa redonda tem aplicação de espelhos na lateral, e forma de um mosaico, maravilhoso!
Outra idéia muito charmosa é criar num móvel feito em marcenaria, portas revestidas de espelho bisotado, ou ainda, usar espelho apenas no detalhe do puxador, que pode ser em formato de cava, fica muito delicado, e todo o móvel pintado em laca, por exemplo.
Veja que é possível criar uma atmosfera toda especial, dependendo da escolha do espelho que quer ter e qual será a função dele, mesmo que seja apenas estética.


venda de espelhos

Cortinas - dúvidas

Acho que cortinas são muito pessoais (no quesito gosto/ modelo)
Na minha sala, uso uma de varão, com ponteiras que eu a-d-o-r-o (mas acabei de descobrir que elas não estão mais na moda... dane-se! kkkkk eu gosto bastante, demorei séculos para achar um modelo que eu gostasse e elas nem são tão cheias de fru-frus, só tem uns cristaizinhos, bem discreta)kkkkk
Abaixo separei umas dicas legais, espero que gostem!


Dúvidas sobre cortinas

Cortina ou persiana: qual escolher?
Na maioria das vezes, depende do gosto do morador. Salvo em situações nas quais a persiana é a mais indicada, como quando há pessoas muito alérgicas a poeira na casa, não existe uma norma. Grande parte dos profissionais, no entanto, declara que as cortinas têm o poder de imprimir uma atmosfera mais acolhedora e elegante aos projetos.
 
Que modelos de cortinas estão em alta?
As tendências apontam para os mais leves e fluidos, menos volumosos e com ótimo caimento. “Os de aspecto pesado e rígido são pouco vistos atualmente”, afirma o arquiteto Diego Revollo. Outra novidade, segundo o arquiteto René Fernandes Filho: a volta das estampas, comuns nos anos 1970. “Até há pouco, as cortinas deveriam ser o mais neutras possível, mas isso mudou, pois agora vale fazer delas um elemento forte da decoração”, afirma ele. A campeã de citações, a do tipo wave, embora presa num trilho, reproduz as ondulações obtidas com o uso de ilhoses num varão.
 (cortina wave)
 
Quando usar trilho ou varão?
Indica-se o primeiro quando há um cortineiro, de gesso ou madeira, capaz de disfarçar sua presença. Existem casos em que o trilho, muito discreto, pode ficar aparente, mas, em geral, o suporte permanece oculto. 



Já o varão se mantém à vista, e costuma entrar em cena nos ambientes com forro que acompanha a inclinação do telhado ou se o desejo for torná-lo parte da ambientação. Versões mais chamativas, com ponteiras ornamentadas, estão em desuso.

 
Como calcular a quantidade de tecido?
Meça a largura da janela (2 m, por exemplo) e multiplique por dois: 2 x 2 = 4 Então tire a medida da altura (digamos que o pé-direito tenha 2,60 m) e some 60 cm, medida suficiente para a confecção da barra e do cabeçote: 2,60 + 0,60 = 3,20 Por fim, multiplique os resultados: 4 x 3,20 = 12,80 m A fórmula vale para um tecido com 1,40 m de largura. Caso ele tenha 3 m de largura, poderá ser usado na horizontal, o que dispensa emendas. A metragem necessária, nesse caso, cai pela metade.




esquema-duvidas-sobre-cortinas-respondidas-por-profissionais
Carlos Campoy
 












As cortinas devem ocupar apenas a janela ou a parede inteira?



A menos que exista algum obstáculo, como um aparador sob a abertura, elas ficarão mais elegantes se alcançarem o piso. 









 

Caso não seja possível, prefira um modelo romano ou uma persiana. “Cortinas curtas           funcionam apenas em quartos de bebê”, avisa Paulo Rossi, da Interiores Confecções. Com relação à largura, não há regra. 
                                                                                                                                      
“Quando a esquadria é descentralizada, recomendo encobrir toda a parede para disfarçar a diferença entre os lados”, diz René.
 

Em ambientes com várias janelas, as cortinas devem ser todas iguais?
Recomenda-se padronizar. “Se uma delas fica acima de um móvel, por exemplo, pode-se cobri-la com um modelo romano, mais curto, e usar cortinas longas nas demais. O resultado será mais harmônico se todas forem do mesmo tecido”, ensina Paulo. Outra sugestão vem de René: “É viável valorizar uma porta-balcão com a cortina e instalar telas solares nas janelas, com bom gosto e originalidade”.

 
O que usar em banheiros e cozinhas?
Melhor investir em persianas, de preferência metálicas, ou telas solares. Ambas são mais fáceis de limpar, detalhe fundamental em espaços expostos a gordura e umidade. Se a esquadria ficar fora do boxe ou longe do fogão, vale instalar uma cortina romana, mas de tecido sintético, que possa ser lavado frequentemente.
 

 
Quais as opções mais indicadas para pessoas alérgicas a poeira?
Independentemente do tecido escolhido, cortinas tendem a acumular pó. Por isso, especialistas indicam persianas de madeira ou alumínio para moradas de alérgicos. “Sua superfície não é porosa, o que torna simples a manutenção. Escova e aspirador bastam, ou pano úmido, em alguns casos”, diz Betty Rodrigues, diretora comercial da Uniflex Mateus Grou. Quem sofre com o problema, porém não abre mão de cortinas, pode confeccionar modelos de voal ou de outros tecidos 100% poliéster, que permitem lavagens constantes sem estragar.


 
E para abafar ruídos?
Nenhuma opção se revela totalmente eficaz, mas blecautes e cortinas grossas – de veludo, sarja de algodão, jeans e linho – podem ajudar bastante.
 
Quais as pregas e os tecidos mais utilizados?
Além da wave, segue firme a prega americana – tanto na versão tradicional, com o franzido embaixo, quanto na invertida, com a costura no alto. “A prega macho também não sai de moda”, garante a designer de interiores Isabel Morellato, proprietária da La Belle Bergère, empresa do segmento. Na matéria-prima, destacam-se as tramas sintéticas, de linho ou gaze de linho com poliéster: a aparência imita a da fibra 100% natural, mas sem os inconvenientes de encolher e amassar.
 
Que opções são mais eficazes para barrar o excesso de sol?
Se o espaço sofre com claridade demasiada, a pedida é investir num forro – além de filtrar a luz, o recurso protegerá a trama. Caso queira escurecer completamente a área, compre um modelo blecaute, já sabendo que ele tem um ponto fraco: o visual plastificado. “Há cerca de cinco anos, surgiram os chamados blecaute 70%, de aparência mais natural. Eles não vedam a janela completamente, mas podem, inclusive, tomar o lugar da cortina”, conta Paulo. Outras opções de forro são o tergal verão e a gabardine. Existe, ainda, a chance de combinar persianas ou telas solares a cortinas.
 (fonte: http://casa.abril.com.br)

Dicas de conservação de plantas e flores

Quando receber um buquê:

• Antes de colocar as flores na água, retire das hastes as folhas inferiores que possam ficar em contato com a água do vaso.
• Corte 2 cm da base da haste em diagonal. Os cortes devem ser feitos assim que receber as flores e a cada troca de água. Utilize uma tesoura de poda ou estilete bem afiados, para não provocar o esmagamento dos canais de absorção da haste floral. É melhor que esses cortes sejam feitos com a parte da haste a ser cortada dentro da água, evitando assim que se formem bolhas de ar nos canais de absorção.

• Sempre utilize água fresca e troque-a diariamente.

• É aconselhável utilizar produtos conservantes ou hidratantes na água (encontrados nas lojas de produtos e acessórios para flores e plantas).

• O vaso deve ser mantido sempre limpo e em local fresco e arejado.


Quando receber um arranjo:

• Mantenha o arranjo em um local arejado evitando ar condicionado, exposição direta ao sol, aquecedores ou ventos fortes.

• As flores e folhagens são espetados normalmente em espuma floral, o que prolonga a vida da flor. Mesmo assim, diferentes flores não possuem a mesma durabilidade. As que forem murchando primeiro devem ser cuidadosamente retiradas para que não prejudiquem a duração das outras.

• A espuma floral deve ser molhada constantemente.

• Rosas e folhagens verdes gostam de ser borrifadas com água, outras flores não devem ser borrifadas.




Quando receber uma planta em vaso:

• Cada planta tem uma necessidade diferente: rega, luminosidade, adubo e pulverização... contudo todas devem ter algumas necessidades básicas atendidas para sobreviverem.

• Procure em lojas de jardinagem adubos apropriados para a planta recebida. Normalmente o adubo deve ser posto uma vez por mês.

• Não molhe as flores quando for pulverizar a planta.

• Evite acúmulo de água no pratinho, isto pode causar apodrecimento das raízes e morte das plantas. O ideal é colocar areia no pratinho, para evitar a entrada da larva do mosquito da dengue.

• Faça a limpeza constante das plantas retirando folhas velhas, secas e doentes.

• Nunca encharque a terra ou substrato da planta, é preferível um maior número de regas com menor quantidade de água a poucas regas com abundância de água.

• Para saber se está na hora de molhar, coloque o dedo no substrato da planta pressionando-o. Se o dedo ficar sujo com partículas aderindo não precisa molhar. Se o dedo ficar praticamente limpo, apenas com uma poeira seca, é hora de regar.






Dicas para cada tipo diferente de plantas e flores



Azaléia

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Begônia

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se melhor a ambientes internos.


Bromélia Fascista

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Chrisanthemum

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Gérbera

Gosta de muita luz e pode ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Girassol

Gosta de muita luz e pode ficar diretamente exposto ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; adapta-se a ambientes internos e externos.


Hortênsia

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida úmida, sem secar e nem encharcar; a flor deve ser pulverizada com água; adapta-se a ambientes internos e externos.


Lírio da paz

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que seque um pouco a cada rega; as folhas devem ser pulverizadas regularmente; adapta-se a ambientes internos e externos.

Orquídeas

Gostam de muita luz, mas não devem ficar diretamente expostas ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que sequem um pouco a cada rega; adaptam-se a ambientes internos e externos.


Tulipa

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que seque um pouco a cada rega; adapta-se melhor a ambientes internos.


Violeta

Gosta de muita luz, mas não deve ficar diretamente exposta ao sol; a terra deve ser mantida moderadamente úmida, permitindo que seque um pouco a cada rega; adapta-se melhor a ambientes internos.